Procurar:
Buscador avançado
Procurar
  English
  Español
  Français
  Italiano
Português
INÍCIO PROCURAR CONTATO
ACESSOS
Apresentação
Os títulos dos membros
O Cartel
O Passe
RadioLacan.com
Lacan Quotidien
LC Express
LC Express
EFP
FAPOL
As Escolas » O Cartel

"Para a execução do trabalho [da Escola] adotaremos o princípio de uma elaboração sustentada num pequeno grupo. Cada um deles – temos um nome para designar estes grupos – será composto de três pessoas pelo menos, cinco no máximo, quatro sendo a medida certa. Mais uma encarregada da seleção, da discussão, e da solução a reservar ao trabalho de cada um.
Após certo tempo de funcionamento, os elementos de um grupo receberão proposta de fazer permuta com um outro"
Jacques Lacan, "Ato de Fundação".

Las Escuelas
 

O que é um cartel?
O cartel é um dispositivo de trabalho original, proposto por Lacan tanto àqueles que praticam a psicanálise como a qualquer um que deseje estudá-la. Esta invenção lacaniana tem em conta os efeitos de grupo e visa - por sua estrutura e seu funcionamento – limitá-los o máximo possível.

Quatro se escolhem para trabalhar
Os que constituem um cartel se escolhem com um projeto comum de trabalho. Em 1980, Lacan estabeleceu que fossem quatro os integrantes de um cartel, número de referência na maioria dos cartéis em funcionamento. As reuniões se realizam com um ritmo definido por seus membros, denominados "cartelizantes".

O "Mais-um"
Escolhido pelos cartelizantes, o "Mais-um" é a pessoa que se encarrega da seleção, da discussão e do encaminhamento reservado ao trabalho de cada um. Sua função é crucial para sustentar com tato o trabalho de cada cartelizante, fazer frente às crises e para manter a distância entre saber e verdade. O "Mais-um" também faz laço com as Escolas, uma vez que ele favorece a exposição dos produtos do cartel.

O tema de trabalho
A criação do cartel é a ocasião para que cada um eleja um tema ou uma questão de trabalho: leitura de um seminário, elaboração de um conceito ou de um caso, conexão da psicanálise com outros campos etc. À questão de cada um, agrega-se um tema comum do qual advém o título do cartel e sob o qual poderá declarar-se à Escola.

O produto próprio de cada um
O trabalho efetuado não dá lugar a um produto coletivo sobre um saber que implique a adesão do grupo. Trata-se para cada um, em função do momento de sua relação com a psicanálise, de constatar o que foi modificado de sua relação com o saber analítico.

A exposição dos trabalhos
Os produtos do cartel podem ser expostos nas jornadas de cartéis, ocasião para colocar a céu aberto as elaborações realizadas. As diferentes publicações do Campo Freudiano também podem ser os espaços de apresentação de alguns destes trabalhos.

A permutação
O cartel não pode durar mais que um ou dois anos. Ao final desse tempo, se dissolve. Esta conclusão necessária permite evitar a inércia verificável nos grupos de trabalho que se eternizam, fazendo obstáculo ao advir de um saber novo para o sujeito.

O cartel hoje
A prática acumulada desde a invenção deste dispositivo institucional mostra o quanto ele é fecundo na leitura dos textos de referência, no estudo dos conceitos fundamentais e na investigação permanente em psicanálise. É, por isso, um instrumento de formação dos analistas e um órgão de base da Causa freudiana.

 
TEXTOS DE REFERÊNCIA
Ver textos de referência
 

AS ESCOLAS
DA AMP >>
EBP ECF ELP EOL NEL NLS SLP